Friday, May 31, 2013

Retraction and Final Thoughts on Labels

A while back I published an article on the fittingness of utilizing labels in denoting certain trends within Catholicism; this was not the first time I have written on this subject, and my taking up of the question was in response to the statements of some that the term "traditional Catholic" is redundant because to be Catholic is to stand within the great stream of Tradition. Aside from the obvious problem that the vast majority (85% at least) of Catholics do, in fact, not stand in the tradition of the Church, some have pointed out that the utilization of labels is improper because it is divisive. I argued that this was the case, but that this division was sometimes necessary in times when there is great confusion over what it means to be Catholic, and cited in example the tumultuous periods after the councils of Nicaea and Chalcedon as well as prior to Vatican I.

However, it has come to my attention that Pope Benedict XV had actually weighed in on this specific question in 1914, at which time he asked Catholics not to make use of modifiers. The pontiff stated:

"It is, moreover, Our will that Catholics should abstain from certain appellations which have recently been brought into use to distinguish one group of Catholics from another. They are to be avoided not only as "profane novelties of words," out of harmony with both truth and justice, but also because they give rise to great trouble and confusion among Catholics. Such is the nature of Catholicism that it does not admit of more or less, but must be held as a whole or as a whole rejected: "This is the Catholic faith, which unless a man believe faithfully and firmly; he cannot be saved" (Athanas. Creed). There is no need of adding any qualifying terms to the profession of Catholicism: it is quite enough for each one to proclaim "Christian is my name and Catholic my surname," only let him endeavour to be in reality what he calls himself." (Benedict XV, Ad Beatissimi Apostolorum 24)

That being the case, I would like to retract my former posts on the appropriateness of labels; how can I call appropriate what such an august pontiff has said is not? I believe no other pontiff has spoken officially on this since then, so I assume he has the last word. However, I do have a few thoughts here:

The rise in the use of labels is a manifestation of the disorder in the Church. As I demonstrated in my previous posts, it is only in times of great disorder that these labels come to be used - and they are generally not used except when they serve a useful purpose in making a distinction.

Because of their proliferation now, and even a century ago, the Pope wished their usage to be curbed to maintain unity, which I can understand. However, in this day with its attendant problems, this is really addressing only a symptom. Rather than worry about the potential divisiveness caused by labels, we should be asking how we can rectify the condition within the Church so that the faithful will not feel the need to have recourse to labels. We cannot cure poverty by outlawing begging, and we cannot bring unity to the Church by outlawing the use of modifying labels. I concur with the Benedict XV and submit my judgment to his words, though I do think this is only a skin-deep remedy.

Tuesday, May 28, 2013

In Praise of Virginity? Anybody?

While the secular world continues its onslaught against the family with its relentless promotion of same-sex so-called marriage, the Church has been enduring a parallel attack against the discipline of celibacy. Both attacks are diabolical, both equally ferocious, and both based on the premise that human beings are absolutely and utterly incapable of moderating their sexual appetites.

On the homosexual question, conservative pundits, mostly Protestant and severed from Catholic Tradition, can offer no defense of traditional marriage grounded in natural law and largely stand by dumbly, protest on the grounds of biblical prohibitions, or else meekly acquiesce so they can be "on the right side of history." Similarly, as the discipline of celibacy is assaulted within the Catholic world, no one steps forward to boldly praise the ancient discipline. While liberal ecclesiastics clamor for its abolition, conservative clerics fumble about the practical difficulties of a married clergy or, even worse, meekly shrug and say "It's only a discipline. It could be changed," as if one of the Church's most ancient disciplines could be tossed aside with no consequences.

It is not surprising that the Faith is under attack; a reflective view of Church history reveals that the Faith is always under attack. But what is surprising with regards to celibacy is the lack of any truly zealous defenders of the discipline. Sure, we get apologetics and defenses of the reasonableness of celibacy, but when was the last time we really heard a bishop speak out boldly in praise of virginity, as the Fathers of the Church used to do? Arianism threatened the Church, and St. Athanasius opposed it with such rigor that the heresy was subdued; St. Augustine almost single handedly undid the Pelagians with his masterful exposition of the doctrines of grace; when Iconoclasm reared its destructive head, St. John Damascene slew the beast with his treatises in praise of holy images; St. Gregory VII, Anselm and Thomas Becket humbled kings and emperors who sought to define the Church as a functionary of the state, St. Thomas Aquinas put the nail int he coffin of Latin Averroism, and St. Francis of Assisi's life and message served as a stinging rebuke to the worldliness of his day, just as the holy life and teachings of St. Ignatius served as an antitode to the poison of the Protestant revolt and the bold defense of papal primacy made by Bl. Pius IX and St. Pius X served to combat the errors of modernism.

Where, then, are the zealous promoters of celibacy who will rise up in this hour and glorify the Church's teaching on holy virginity? Where are those ecclesiastics who, with their teaching, will not only meekly defend the legitimacy of the practice, but will actually show forth its splendor and praise it? Where are those who will speak of the radiant beauty of the consecrated soul, the many spiritual and temporal benefits that virginity bestows upon him who practices it, and the immense merit consecrated virgins accrue before the throne of God?

The silence is appalling. Oh, don't get me wrong, we have plenty of folks out there defending celibacy. We have plenty of priests who are willing to explain its reasons and its legitimacy and point out the possible difficulties we would run into if we had a married clergy. But to defend the validity of a discipline is not the same thing as to praise it, and to coolly remind the hostile world of the reasons behind the discipline is not the same thing as to heap glory upon a custom that is universally praised in the eastern and western traditions.

When Tertullian and Cyprian and Augustine write in praise of virginity, their goal is not to explain virginity to a hostile world, but to laud virginity among other Catholics, helping them to see the mystical reality behind the discipline. When the Church Fathers praise virginity, the praise it as men who have seen a vision of something truly beautiful, something gloriously resplendent, a pearl of great price that they do not offer a defensive apologetic for, but rather a glowing hymn in praise of.

The modern apologists attempt to convince the intellect to accept the reasonableness of celibacy; the Church Fathers attempted to move the will in order that their hearers would personally embrace celibacy themselves as a positive good to be sought.

It is difficult enough these days to find someone who will rigorously defend celibacy, let alone attempt to convince their readers to take up the discipline. Yet this is how the practice was first introduced to the faithful, not as a practice that the Church should accept, but as an ideal way of life that is actually superior to matrimony.

There are many facets to the vocations crisis - there is the man-made aspect of it, in which the crisis is artificially blown out of proportion for the purpose of creating lay-run parishes; like the canard of "religious liberty", there is the fact that most American Catholics cannot offer satisfactory answers to critics of the discipline. But can the major problem perhaps be that we have lost sight of celibacy/virginity as a treasure to be cherished? That in fighting so hard to defend it against a hostile world without and a skeptical Church within, we have contented ourselves with defending the existence of celibacy alongside of marriage when we should have been praising it as a superior vocation to marriage? As is the case with so many other issues in the Church today, can our problem be not that we are expecting too much, but that we have been habitually aiming too low?

"As a Church living in expectation of glory to be revealed she will find ever greater strength to proclaim the value of celibacy that is lived for the Kingdom of God." (John Paul II, ad Limina Address, "The Church of the Millennium Bears Witness to Christ with No Fear of Displeasing the World," L'Osservatore Romano English ed., April 25, 1988, 5,8).

Saturday, May 18, 2013

The Fittingness of Labels (Portuguese)

Though officially I am still on hiatus, I wanted to do a little something special in honor of the Feast of Pentecost. I have always been amazed that, according to the analytics I have tracking this website, a sizable minority of the people who read this blog are Portuguese speakers - many from Brazil, but many from Portugal as well. Therefore, in honor of the Feast of Pentecost, when the Church spoke the languages of all nations, I am publishing an article in another language: Portuguese, which you can find below. The article is about these mainstream Catholics who talk about how using labels like "traditional Catholic" or "charismatic Catholic" are redundant because "just Catholic is enough." While I totally see where they are coming from, I disagree and think there is a utility for labels when discussing trends within the Catholic faith.

To read the article in English via Mediafire, please click here. If you choose to comment, please remember that I do not speak Portuguese; a friend of mine translated this for me.


Quando eu li pela primeira vez o artigo “Católico. E tenho dito.” (“Catholic. Nuff Said”) por Marc Barnes sobre a superfluidade de se usar rótulos para designar grupos ou movimentos dentro do catolicismo, eu comecei a trabalhar numa exaustiva crítica ponto a ponto, mas eventualmente abandonei a ideia, porque minha resposta se tornou muito longa e me levou a muitas outras tangentes. Isso porque Barnes está correto em algumas coisas e errado em outras e sem querer enfastiar meus leitores com algo tedioso, decidi contrariamente. Eu recomendo que você leia o artigo do Barnes antes de ler isto; ele basicamente afirma que rótulos não têm lugar dentro da Igreja. Aqueles que dissentem ou espalham heresia, não deveríamos chamá-los “católicos liberais”, porque isso basicamente os legitimiza, sugerindo que ‘catolicismo liberal’ é apenas um tipo de catolicismo no espectro católico, quando de fato é um desvio total do espírito do catolicismo. Por outro lado, àqueles grupos que são fiéis à Igreja não se pode adicionar nada com adjetivos como “tradicional”, “fiel”, “ortodoxo” ou o que seja; ser católico é ser “universal” e não se pode adicionar nada ao universal, tanto quanto não se pode dividir a eternidade. Portanto, enquanto rótulos são úteis paracategorizar heresias fora da Igreja (arianos, pelagianos, calvinistas etc.), eles ou são inúteis ou danosos quando aplicados a movimentos ainda dentro da âmbito da Igreja. Barnes destaca “católico tradicionalista” como um rótulo que ele acha particularmente inútil, pois ele parece pensar que ele coloca muita ênfase na Missa como um monumento, e não o suficiente na Missa como uma realidade vida e presente.

Ao invés de examinar as declarações de Barnes ponto a ponto, eu decidi oferecer um ponto de vista contrário, que pode lidar com os pontos do Barnes aqui e ali, mas cuja intenção não é tanto uma refutação, quanto uma visão por outro ângulo, ultimamente vindicando o uso de rótulos em geral e o rótulo “católico tradicionalista” em particular.

Eu escrevi sobre este tópico anteriormente, em resposta a um artigo similar por George Kendall, que havia declarado no Wanderer que “Não existe catolicismo tradicional. Existe apenas catolicismo e não-catolicismo. Se você é católico, você é tradicional. Se não, você é não-católico.” (George A. Kendall.  "More on the Sacrifice of the Community to Progress". Wanderer, Feb. 2009). A minha resposta a isso pode ser encontrada  aqui. O que podemos dizer sobre isso? Façamos algumas observações, compreendendo que a principal questão é: pode qualquer palavra modificadora jamais ser aplicada ao substantivo “católico” que adicione qualquer real valor? Ou, como Barnes diz, “qualquer modificação limitadora na palavra ‘católico’ é uma contradição em termos”?

Primeiro ponto:  Rótulos devem ter algum tipo de uso significativo ou então pessoas não os usariam. Este argumento procede da forma em que pessoas usam as palavras de fato. Barnes argumenta que não deveríamos fazer distinções como “católico tradicional” e “católico carismático”, porque ambas são expressões da catolicidade da Igreja. Entretanto, na vida real, pessoas usam os rótulos “tradicional” e “carismático” regularmente e isto significa que esses rótulos têm algum significado real, ou então ninguém os usaria. Adjetivos criam distinções; “cadeira” é um conceito geral, mas nosso conceito de cadeira se torna mais refinado se introduzimos os termos “cadeira de madeira” ou “cadeira de aço” – eles denotam duas formas diferentes de ser uma cadeira e são ferramentas lógicas que ajudam a mente a se mover de verdade a verdade. Neste caso, “tradicional” e “carismático” refletem duas formas diferentes de ser católico; se as duas formas são de igual valor é outra questão, mas o ponto é que quando as pessoas usam esses termos, elas estão chegando às distinções concretas que nos auxiliam a falar sobre as realidade dentro da Igreja. Elas não são supérfluas ou sem significado, ou então não seriam empregadas tão frequentemente no vocabulário cotidiano.

Segundo ponto, mesmo quanto a distinção expressa por um modificador pode ser inferida no conceito que ele modifica, modificadores ainda podem ser apropriados a fim de enfatizar algum aspecto em particular daquele conceito. Por exemplo,  tomemos a frase “católico romano”. Bem, não está a  romanitas da Igreja expressa no conceito de catolicidade? Afinal, ser católico é estar em união com o Papa, o bispo de Roma, o sinal visível da unidade da Igreja na terra. O conceito de união com Roma é inerente ao conceito de catolicidade. Pelo raciocínio de Barnes, não deveríamos ter ocasião para jamais usar o modificador “romano” com a palavra “católico”, a não ser que talvez estivéssemos discutindo especificamente o Rito Romano. Porém, vemos que a frase “católico romano” é usada muito amplamente, como próprio sinônimo de “católico”, porque a frase ressalta a unidade da Igreja ao redor do bispo de Roma. Podemos similarmente notar os muitos títulos para Nosso Senhor e Nossa Senhora que se fixam em aspectos particulares de Suas pessoas, apesar de quase tudo que alguém poderia dizer em louvor a Jesus ou Maria poderia ser resumido em seus títulos “Cristo” ou ”Mãe de Deus”. Portanto um modificador pode às vezes ser usado não apenas para fazer uma distinção, mas também para elaborar um aspecto em particular de uma ideia maior.

Terceiro, católicos usaram outros títulos para eles mesmos através da história. Durante a controvérsia ariana, católicos ortodoxos referiam-se a si mesmos como homoousianos, para distinguir a verdade do ensinamento herético homoiousiano dos arianos. Apesar de que ser católico é ser homoousiano, os católicos daquela época pensaram que era uma distinção útil e necessária chamar a si mesmos “homoousianos” em adição a “católicos”, devido à confusão prevalente na Igreja naquele tempo.

Similarmente, no século V, sabemos que aqueles que recusaram o consentimento aos cânones do Concílio de Calcedônia foram subsequentemente conhecidos como heréticos monofisitas. Mas o que não é comumente lembrado é que aqueles que confirmaram Calcedônia e as duas naturezas também adotaram um título, chamando a si mesmos calcedonianos, de católicos calcedonianos, com o propósito de distingui-los do crescente cisma monofisita. Eles poderiam simplesmente ter dito que eram “católicos”, já que a crença nas duas naturezas de Cristo é algo essencial ao catolicismo. Porém, novamente, devido à confusão prevalente na Igreja, eles acharam que o rótulo “calcedoniano” era apropriado. Autores subsequentes sobre a história da Igreja também apropriaram os termos sem insinuar que eles diminuem em nada o termo “católico”.

No século XVIII, os racionalistas e opositores da Igreja adotaram o termo “ultramontanistas” para descrever aqueles que se opunham os movimentos das igrejas nacionais inspiradas no galicanismo. Embora originalmente um termo de escárnio, “ultramontanista” foi abraçado pelos fiéis católicos leais ao Papa como um termo de afeição, expressando lealdade à Santa Sé e “ultramontanista” foi adicionado à palavra “católico”, apesar de que, como a  Enciclopédia Católica diz, "[o termo] é aplicável a todos os católicos romanos dignos do nome...seria supérfluo perguntar se ultramontanismo e catolicismo são a mesma coisa: seguramente, aqueles que combatem o ultramontanismo estão de fato combatendo o catolicismo, mesmo que neguem seu desejo de se oporem.” De novo, devido a uma controvérsia na Igreja e aos cismas dos josefitas, febronianos e racionalistas, um modificador em particular foi adicionado ao conceito geral de “católico” para colocar em relevo um aspecto em particular da catolicidade da Igreja – a jurisdição suprema e universal do Papa sobre a Igreja.

Quarto,  apesar de várias práticas diferentes poderem ser encontradas sob a égide católica, nem todas são de igual valor ou refletem igualmente a catolicidade da Igreja e, portanto, rótulos são apropriados para diferenciar esses movimentos. Barnes diz que o uso de rótulos concede um tipo de legitimidade e igualdade a tudo que é rotulado; mas a ausência de rótulos também pode fazê-lo. Por exemplo, tomemos a distinção entre catolicismo carismático e catolicismo tradicional. A Forma Extraordinária da Missa, em sua essência, vem desde o tempo de S. Gregório Magno, foi um produto de um desenvolvimento orgânico do Rito Romano pela era patrística e tem sido usada pela Igreja por séculos e louvada pelos santos como o mais glorioso ato de louvor que o homem pode oferecer a Deus. A história do Rito Romano está enlaçada com o desenvolvimento e identidade a Igreja como um todo. A Renovação Carismática, por outro lado, data da  Renovação Protestante da Rua  Asuza em 1906, foi adotada pela Igreja Católica apenas nos anos 1960, não foi abraçada universalmente dentro do Rito Romano e tem sido permitida dentro da Igreja apenas sob forma de tolerância. Não se pode dizer, de forma alguma, que o catolicismo carismático goza da mesma linhagem, universalidade, louvor ou valor que o Rito Romano tradicional. Porém, se removermos nossos rótulos, dizendo que não podemos falar de catolicismo tradicional ou catolicismo carismático, mas apenas de “catolicismo”, então ambos tornam-se de igual valor e igual autoridade, quando de fato um é a prática histórica da Igreja e o outro é uma inovação que por alguma razão tem sido tolerada e embasada por alguns bispos. Portanto, o rótulo “tradicional” é útil para distinguir o catolicismo histórico de modas modernas.

Em suma, rótulos podem diminuir a catolicidade, mas eles não necessariamente o fazem. Rótulos dentro da Igreja tentem a se tornar muito úteis quanto há uma grande parcela de confusão sobre a identidade católica, como houve durante a controvérsia ariana, as controvérsias cristológicas do século V e as disputas entre o Papado e as igrejas nacionais nas décadas que levaram à definição da infalibilidade papal – eles entram em jogo quando a Igreja entra numa situação “remanescente”, onde a ortodoxia parece subjugada pela heterodoxia, situações onde “o mundo despertou e gemeu ao ver-se ariano”, nas palavras de Jerônimo – situações em que há disputas amargas sobre a identidade católica, como as que temos hoje, com a Igreja repleta de dissidentes que permanecem canonicamente em boa reputação com a Igreja (ao menos no que se refere ao foro externo), enquanto a atacam de dentro, com 85% dos católicos descrendo na Presença Real e praticando a contracepção, com mesmo católicos bem-intencionados perseguindo modas como Merjugorje ou introduzindo espiritualidades fundamentalmente não-católicas como a Renovação Carismática ou o movimento de oração centrante do monge Basil Pennington – com a própria tradição maldita por muitos e rejeitada até por aqueles que deveriam ser os seus mais ardentes defensores – em todas essas circunstâncias, simplesmente dizer “católico” não necessariamente convém toda  a informação necessária em um dado contexto. Um modificador como “tradicional” é apropriado às vezes e ao contrário do que Barnes diz, não são modificadores mas a falta deles que leva a uma igualdade inapropriada entre posições que não são de forma alguma iguais.

Claro, devemos recordar que qualquer rótulo emendado a “católico” é apenas uma convenção; nossa identidade não está ultimamente amarrada com um modificador. Se a Igreja Católica como um todo zelosamente abraçasse a tradição, retornasse à obediência e à disciplina e arrumasse a casa liturgicamente, então eu concordaria que um modificador não seria necessário. Entendo que aqueles que não abraçam a totalidade da Tradição da Igreja estão de fato diminuindo sua catolicidade e não a exemplificando. Ainda assim, enquanto essa situação persistir, rótulos continuarão porque eles continuam a ajudar as pessoas a fazer distinções reais. As distinções provavelmente não deveriam existir; não deveria haver um “movimento carismático católico” ou um movimento Medjugorje ou o que seja – mas essas coisas de fato existem, então a nossa linguagem deve tomá-las em conta e sua relação em respeito a católicos que apenas amam a liturgia
tradicional da Igreja – em outras palavras, católicos tradicionais.

Monday, May 06, 2013

On Hiatus

Good day!

I am going to be taking a little bit of time off from this blog. My life is insanely busy at the moment with the various duties I have due to my state in life. I expect probably a month or so, though I may have something posted for Pentecost.

I will continue to update the USC website as I can, however. Hopefully this month I can plug away at it and get a lot of things going that I have been brainstorming about.

Thank you all for your continued patronage of this blog.

Founder, Unam Sanctam Catholicam